Ajuda de emergência à Moçambique e avanços nos projectos da ExxonMobil e Anadarko reanimam economia

PMI do Standard BankA pouca ajuda de emergência que Moçambique recebeu para fazer face ao impacto dos ciclones Idai e Kenneth ajudaram a reanimar a economia durante o mês de Março, aponta o índice Purchasing Managers’ Index (PMI) do Standard Bank que indica ainda que aprovação do Plano de Desenvolvimento do projecto da ExxonMobil e a marcação da Decisão Final de Investimento da Anadarko contribuíram “para o aumento do sentimento positivo e da actividade empresarial”.

Durante o mês passado a economia moçambicana enfim parece ter começado a reanimar, “Com 52,3 em maio, o principal indicador do PMI subiu consideravelmente relativamente ao valor de Abril de 49,9, o que indica uma sólida melhoria nas condições para as empresas, que também foi a mais rápida desde Setembro de 2017”.

A análise do Standard Bank, produzida através de inquérito mensal aos gestores de compras de um conjunto de cerca de 400 empresas a operarem em Moçambique, indica que: “A contribuir para a subida do valor do índice esteve um sólido aumento em novas encomendas nas empresas moçambicanas em maio. A taxa de crescimento foi a mais rápida em 19 meses e, pelo que foi comunicado, terá sido impulsionada por uma procura superior por parte de clientes novos e existentes”.

“A recente melhoria no crescimento da procura contribuiu para um sentimento positivo em relação ao futuro em Maio, com uma subida relativamente ao valor mais baixo dos últimos 29 meses atingido em Abril. No geral, as empresas mostraram-se fortemente optimistas quanto ao aumento da produção no futuro. Alguns dos inquiridos afirmaram ter planos para abrir novos negócios no próximo ano, enquanto outros estavam concentrados em expandir as suas bases de clientes”, pode-se ainda ler no documento divulgado nesta segunda-feira (10).

Para o economista-chefe do Standard Bank, Fáusio Mussá, esta retoma da economia está relacionada com o aumento da liquidez em moeda externa em Maio, “devido aos influxos associados à ajuda e empréstimos externos que atenuaram o impacto dos dois ciclones que atingiram o país recentemente”.

“Além disso, a aprovação do Plano de Desenvolvimento para o projecto de gás natural liquefeito (GNL) da Área 4 da bacia do Rovuma e a comunicação de uma decisão final relativa ao investimento no projecto GNL da Área 1 prevista para meados de Junho terão contribuído para o aumento do sentimento positivo e da actividade empresarial”, analisou Mussá.

O economista-chefe do Standard Bank projectou que o Produto Interno Bruto cresça este ano 2,7 por cento, acima dos 2 por cento estimados recentemente pelo Presidente da República e muito acima do 1,8 por cento projectados pelo Fundo Monetário Internacional, na revisão após os ciclones que fustigaram o Centro e Norte de Moçambique.

Fáusio Mussá assinalou ainda, em comunicado, o abrandamento da desvalorização da moeda moçambicana. “O par USD/MZN começou a reverter a tendência ascendente dos últimos 7 meses, tendo registado uma queda constante desde o início de Maio, estando agora abaixo dos 62,0. O par aumentou em 6,3 por cento dos seus 60,6 no final de Setembro de 2018 para 64,4 no final de Abril de 2019”.

Entretanto, tal como o @Verdade previu, o economista-chefe do Standard Bank também está na expectativa da Política Monetária do Banco de Moçambique que está estagnada desde Dezembro de 2018 aguardando decisões do Governo sobre o futuro imediato dos moçambicanos.

Pin It

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *